EDUCAR É SOCIALIZAR

PROJETOS PEDAGÓGICOS

Trabalhar com projetos tem grande valia pois integra os conteúdos dentro de um tema de interesse da turma, trazendo uma melhor gestão dos conhecimentos a serem transmitidos e motivando a turma em busca da construção da aprendizagem.

Por: Adriane Masiero

PROJETO GENTILEZA GERA GENTILEZA

Gentileza gera gentileza, foi o tema do projeto da Escola Municipal Maria Borges Frota em 2013. Para o encerramento do projeto, os alunos do 3ª ano elaboraram um vídeos de boas maneiras na escola, sendo os protagonistas e incentivadores da boa educação. Assista ao vídeo a seguir:

PROJETO CONHECENDO O BAIRRO

Veja o desenvolvimento do projeto através do vídeo apresentado no encerramento do Pacto Nacional  da Alfabetização na Idade Certa.

Vídeo apresentado aos alunos para conhecimento da história do bairro, desde sua formação, confira abaixo:

Vídeo do passeio realizado com os alunos no bairro:

PROJETO MALA VIAJANTE

O objetivo deste projeto é desenvolver habilidades para a leitura, compreensão, interpretação. Além de oferecer a possibilidade de tornar-se um cidadão mais responsável com seus deveres e direitos.

O Projeto Mala viajante foi desenvolvido no ano de 2012, no terceiro ano do Ensino Fundamental, na Escola Municipal Maria Borges Frota.

O projeto foi organizado da seguinte forma:

1ª Uma bolsa de material resistente. Colocar vários tipos de livros e revistas (infantis, de novelas, passatempos, gibis, tabuada, coleções de clássicos da literatura infantil, atlas, livros de literatura em geral, livros de motivação, livros e revistas com assuntos de interesse dos pais, etc.)

2ª Junto com a bolsa de livros deverá ter uma ficha de leitura com os títulos dos livros e espaço para fazer comentários sobre as leituras. Também deverá conter uma ficha de instrução para os pais, com termo de responsabilidade, que deverá ser assinado pelos mesmos.

3ª Cada aluno, leva a bolsa pra casa, ficando com esta durante uma semana (de segunda-feira ate sexta-feira);

4ª Durante a semana, o aluno deverá ler os livros que quiser, e preencher a ficha de leitura. Também deve oferecer os livros para os pais lerem, tornando a semana um momento de leitura em família.

5ª Ao retornar para a escola, o aluno deverá falar sobre a experiência e comentar sobre o que leu.

6ª Caso o aluno não cumpra com as combinações  preestabelecidas, o mesmo não terá direito de usufruir novamente da mala;

7ª Se houver algum dano aos materiais da mala (perda, inutilização, etc.), os pais deverão se responsabilizar, juntamente com o aluno;

Confira as atividades!

???????????????????????????????

???????????????????????????????

???????????????????????????????

PROJETO MALA VIAJANTE 2013

Confira alguns momentos do projeto em 2013!

Preparando a mala

Preparando a mala

Mala pronta

Mala pronta

Material da Mala

Levando a mala para casa

Apresentação da mala com ajuda da família

Apresentação da mala com ajuda da família

DSC03409

Apresentando o livro preferido com ajuda da irmã

Apresentando o livro preferido com ajuda da irmã

Presença da mãe para ajudar na apresentação do livro

Presença da mãe para ajudar na apresentação do livro

Criatividade para as apresentações do livro " A galinha dos ovos de ouro".

Criatividade para as apresentações do livro ” A galinha dos ovos de ouro”.

PROJETO DIVERSIDADE: SOMOS TODOS DIFERENTES

 PROFESSORA ADRIANE MASIERO

  ANO 2012 – 3ª ANO

OBJETIVOS GERAIS:

- Levantar a discussão sobre as diferenças sociais e sua diversidade em escala próxima do aluno: sua história, sua família, seus colegas, seus interesses e costumes.

- Possibilitar a discussão da diferença como parte inerente ao ser humano e da sociedade.

- Proporcionar aos alunos oportunidades de convivência harmoniosa e de aprendizagens através de situações de valorização da diversidade;

- Possibilitar o crescimento pessoal dos alunos, como cidadãos e futuros agentes de transformação social;

- Estabelecer a importância do respeito às diferenças entre colegas;

JUSTIFICATIVA:

Geralmente pensamos que o nosso jeito de ser e de fazer é o normal e nos comparamos com os colegas e com as pessoas a nossa volta. Quando consideramos o outro parecido conosco, aprovamos. Mas quando achamos diferente, diverso, é comum acharmos “errado” ou simplesmente esquisito. Dessa forma, pensamos um pouco: será que é mesmo possível que as pessoas tenham jeitos de ser iguais?

Será que podemos dizer: aquela pessoa é esquisita, aquela outra não? E aqueles que nós consideramos esquisitos, o que pensam de nós?

Se olharmos o mundo, vamos encontrar muitas coisas que parecem iguais, mas são bastante diferentes! As árvores, por exemplo, tem um jeitão mais ou menos parecido, mas de perto, são diferentes entre si. Mesmo aquelas de um grupo, de uma mesma espécie, não crescem iguais.

O que você gosta de fazer? Como você costuma assistir às aulas em sua escola? Enfim, o seu jeito de ser?

METODOLOGIA:

1 – CONHECER, AUTOCONHECER-SE E VALORIZA-SE

 1ª aula – Valorização da imagem

1 – Técnica do espelho: uma caixinha com espelho dentro, sugerindo um presente. Cada aluno abre a caixa olha o seu presente.

Conversa sobre a atividade, valorizando a imagem do aluno e a autoestima.

DSC00496

DSC00498

técnica do espelho

2 – Autorretrato: observe os textos a seguir. Essas telas são chamadas de autorretratos, isto é, são retratos que o pintor faz de si mesmo. Elas foram feitas por um pintor holandês chamado Van Gogh.

Saiba quem foi Van Gogh…

 Vincent Van Gogh nasceu na Holanda, em 1853. Decidiu torna-se pintor quando já era adulto. Antes disso, foi vendedor de quadros, deu aulas, trabalhou em livrarias e foi pastor, como o pai. Mas sua verdadeira vocação foi a pintura. Passou por várias escolas para aprender desenho e pintura e mudou-se para a França, onde aprendeu muito com os pintores famosos.

Poucas pessoas entenderam sua arte quando ele era vivo. Por isso, ao longo da vida vendeu poucos quadros.

Os vários retratos e autorretratos que ele pintava era um modo de experimentar o uso de técnicas diferentes. Existem por volta de 30 autorretratos de Van Gogh.

Lendo e conversado:

1 – o que você acha que estes autorretratos transmitem? Alegria? Tristeza? Outro tipo de sentimentos?

2 – Observando cada uma das telas, que sensação você tem do artista representado?

Agora é a sua vez de fazer um autorretrato! Feche os olhos e imagine que você esta em frente ao espelho. Tente lembrar como você é fisicamente: o formato do rosto, os cabelos, os olhos, o nariz, a boca, o corpo, as mãos, os pés… Pense também no seu jeito de ser: como você sorri, o jeito de se vestir, as coisas que gosta, a maneira como age…

Em grupo: sente-se com 2 ou mais colegas. Mostre o seu trabalho para eles. Faça a sua autoapresentação: explique o desenho;

Exposição dos autorretratos em forma de painel;

2ª aula: valorização da família

1 – Atividade com certidão de nascimento: localizar no documento os seguintes dados: nome do aluno, nome dos pais, data de nascimento, local de nascimento, nome dos avós.

- conversar sobre a atividade enfatizando o que há em comum em cada aluno e o que há de diferente entre eles.
Certidão de nascimento

2 – Atividade com a árvore genealógica: preenchimento da árvore genealógica até a 3ª geração, usando os dados da certidão de nascimento.

3 – Conversar sobre a importância da família (pais, avós, irmãos)

4 – Tema para casa: os pais serão convidados a fazer um cartão respondendo a seguinte pergunta: “Por que meu filho e importante para mim?”

Expor os cartões em forma de painel na sala de aula
ATIVIDADE T 32 - 24-10-12 (16)

3ª aula: valorização da sua história

1 – Vídeo de formação do neném:

Conversa sobre o vídeo: questionar os alunos sobre as lembranças que possuem de quando eram menores. Será que todas as mães tiveram uma gravidez igual? E como foi quando eram pequenos?

2 – Atividade com a sequência de fotos ou imagens de crianças de várias idades e em situações cenas diversas: conversar observando as fotos:

1 – O que essa sequência de fotos mostra?

2 – Alguma dessas fotos lembra uma situação vivida por você?

3 – Texto: Uma pessoa, um corpo

No mundo existem bilhões de seres humanos, e todos tem um corpo parecido.

Nosso corpo nos diferencia dos bichos, das plantas e das coisas que não tem vida. E ele que nos permite viver…

As pessoas se parecem, mas cada uma delas é diferente!

A altura, o peso, o sexo, os cabelos e a cor da pele variam de pessoa para pessoa. Muitas outras coisas também nos diferenciam uns dos outros, como o formato do nariz, do queixo, da boca, das orelhas, dos olhos, a postura, o jeito de falar, de andar…

Para conversar:

1 – O que você entendeu do texto?

2 – Com quem você se acha parecido?

3 – Com quem na sua casa você é mais parecido no seu jeito de ser?

4 – Preencher a ficha com informações sobre você:

Nome:

Idade:

Altura:

Peso:

Cor dos olhos:

Cor dos cabelos:

Cor da pele:

Assinatura:

5 – Tema para casa: Livro da Vida (fazer junto com a família)

 4ª aula: Valorização da história de vida de cada um

1- Apresentação dos seus livros da vida: convidar os pais e mães para que possam acompanhar os alunos nas suas apresentações;

ATIVIDADE T 32 - 24-10-12 (5)ATIVIDADE T 32 - 24-10-12 (9)
ATIVIDADE T 32 - 24-10-12 (40)
ATIVIDADE T 32 - 24-10-12 (43)
2 – Tema para casa: Linha do Tempo (fazer junto com a família)

 5ª aula: Respeito à história de vida de cada um

1 – Apresentação da linha do tempo

2 – Conversa sobre o que foi significativo e o que aprenderam até o momento com as atividades solicitadas.
DSC00972
DSC00976
DSC00673
DSC00986
DSC00984

2 – UM MUNDO DIFERENTE

6ª aula:

Livro: Diversidade

Autora Tatiana Belinky

Conversar sobre a história

Monta um painel com poesia, ilustrando cada parte usando várias técnicas (pintura com guache, recorte e colagem de imagens, desenho, etc);
DSC01013

 7ª aula:

Filme: Dumbo

Livro: A joaninha diferente…

Autora Regina Célia Melo

Conversa sobre o livro e filme fazendo comparações

Produzir um texto com a seguinte problemática: E se fosse você…

8ª aula:

Livro: Uma amiga diferente

Autora Márcia Honora

Vídeo do YouTube: Uma bailarina especial

Conversar sobre os livros e o vídeo fazendo analogias

9ª aula:

Música: Vamos construir

Escolher a parte da música que mais tenha significado justificando a sua escolha

Encerramento do projeto e avaliação dos alunos e pais utilizando um relato simples de forma escrita e oral sobre o que aprenderam e a importância deste aprendizado

ATIVIDADE T 32 - 24-10-12 (37)

PROJETO ALIMENTAÇÃO – FRUTAS
2ª ANO

1ª DIA
Atividade com a fruta – maçã
Analisar a fruta (formato, cor, textura, procedência, derivados, vitaminas e nutrientes, etc.);
Partir a fruta ao meio fazendo as observações pertinentes (cor, textura, aroma, sementes);
Degustar a fruta descrevendo os sabores e aromas;
Fazer a ilustração no caderno;

2ª DIA
Assistir aos vídeos:

Após os vídeos, fazer uma breve discussão sobre como se alimentar corretamente e ter uma vida saudável

Atividade no caderno:
Lista de palavras: frutas
Abacaxi
Abacate
Melão
Melancia
Maracujá
Banana
Limão
Carambola
Laranja
– leitura das palavras;
– separação silábica;
-formação de uma frase com a fruta preferida;
– acróstico com a palavra escolhida.

3ª DIA
Aula de informática:
Ditado no documento do office com nomes de frutas:
1- Limão
2- Coco
3- Framboesa
4- Pêssego
5- Uva
6- Ameixa
7- Cereja
8- Caqui
9- Pêra
10- Abacate

Jogo no site: http://www.atividadeseducativas.com.br
– colocar o alimento no local certo da pirâmide alimentar

Atividade no caderno:
– leitura da poesia;
– conversa sobre os hábitos saudáveis;
– ditado colorido: pintar o nome das frutas;
– lista de frutas que mais gosta;

4ª DIA
Atividade com a fruta: bergamota
Observar as características da fruta (cor, formato, aroma, textura);
Comentar sobre a importância das frutas na alimentação;
Descascar a fruta e observar o formato;
Comer a fruta descrevendo os sabores e aromas;
Fazer o desenho da mesma no caderno, descrevendo as características principais;

Atividade no caderno:
Produção textual em conjunto, com base na imagem:

5ª DIA
Estudo da fruta: banana
Conversar sobre as características da fruta (cor, aroma, textura, formato, origem, etc);
Fazer a degustação da fruta falando sobre as características de aroma e sabor;
Fazer o desenho da fruta no caderno;
Fazer um acróstico da palavra;
Fazer uma frase com a palavra;

Vamos completar as frases com as seguintes palavras (limão, maçã, banana e uva)
A) O_____________________é uma fruta amarga e rica em vitamina c.
B) A_____________________é vermelha e suculenta.
C) A_____________________é amarela e rica em potássio.
D) A_____________________é roxa, docinha e tem grãos.


TEMA: VALORIZAÇÃO DA VIDA
TÍTULO: ALFABETIZANDO PARA A VIDA
DISCIPLINA: ESTUDOS SOCIAIS
SÉRIE: 2ª ANO
PROFESSORA: ADRIANE MASIERO
ANO: 2011

INTRODUÇÃO
Em todas as sociedades e culturas existe uma história. A história de nossas vidas tem grande importância em nosso desenvolvimento psicossocial, pois é através do conhecimento dela que valorizamos a nossa vida, a vida de nossos familiares, a nossa comunidade, e a nossa cultura.
Antigamente o ensino de História no Brasil, era marcado por uma transmissão aos alunos de informações sobre grandes acontecimentos, sendo que os sujeitos dessa história eram pessoas distantes da realidade educacional.
Essa forma de trabalhar os conteúdos históricos serviu para dar continuidade à situação de exclusão social. Sendo que os alunos não conseguiam estabelecer relações entre a história estudada e sua vida social e afetiva.
Com mudanças na legislação educacional brasileira a partir dos anos 80, e as novas concepções de educação e os objetivos da disciplina passaram a ter outros rumos. A busca pela construção de conceitos de cidadania. Um novo cidadão, capaz de intervir e transformar a realidade social. O ensino de História passa a ter outras funções sociais, que exigem do aluno uma atuação mais ativa, envolvendo reflexões sobre o seu desempenho no convívio social.

JUSTIFICATIVA

Para aprender a valorizar a vida, é necessário conhecer nosso passado, nossa história, perceber semelhanças e diferenças culturais no tempo histórico.
A escola apresenta condições para desenvolver essa oportunidade de conhecimento e valorização. Está aberta a receber e trocar conhecimentos, além de sistematizá-los e transmiti-los aos educandos, transformando assim o conhecimento em prática e o educando em cidadão consciente e atuante.
Este projeto foi elaborado pensando em proporcionar aos alunos uma aprendizagem multidisciplinar, envolvendo a construção da identidade e a percepção do passado. Para essa aquisição do conhecimento é preciso à interação do individuo com o meio. Assim, as experiências prévias dos alunos, devem ser consideradas e ampliadas à medida que o sujeito da história (aluno), conhece o seu passado e interage com o presente.
Nesse sentido, a família do aluno e a comunidade têm papel decisivo na busca pelos objetivos do ensino de História e seu conceito prático. A participação destes na execução do projeto é de fundamental importância para a aquisição e valorização do conhecimento tanto do passado quanto do presente.

OBJETIVOS

– Incentivar o pensamento histórico da criança, através de atividades que a levarão a produzir sua própria historia;
– Comparar acontecimentos numa multiplicidade de tempo (passado e presente);
-Conhecer e respeitar o modo de vida de diferentes grupos sociais, reconhecendo semelhanças de diferenças;
– Identificar principais características do grupo social a que pertence;
– Identificar e utilizar diferentes fontes de informações, percebendo suas funções;
– Respeitar a diversidade;
– Estabelecer relações entre o passado e o presente;
– Aproximar a família do contexto escolar para perceber a escola como parte integrante de suas vidas;
– valorizar a família como local de aprendizagens, respeito e acolhimento;

CONTEÚDOS
Conteúdos programáticos previstos para o primeiro trimestre da disciplina de estudos sociais do 2ª ano do ensino fundamental:
– indivíduo e grupos sociais, bem como sua identificação como pessoa (nome, idade, cidade);
– organização familiar: reconhecimento da família e sua importância, datas e acontecimentos importantes da vida;
– estabelecimento de relações entre a história do presente e a do passado;
– estudos comparativos da diversidade cultural, com registros e organização das informações;

METODOLOGIA:

1ª aula:
Aula do espelho: uma caixa surpresa é apresentada com um rótulo “Aqui está a coisa mais linda e especial do mundo”. Dentro da caixa colocar um espelho. Refletir sobre a atividade com os alunos.
Desenho: auto- retrato: exposição dos trabalhos na sala de aula


2ª aula
Participação da família com cartão: por que meu filho é especial? Os pais são convidados a escrever no cartão, uma mensagem para seus filhos, explicando porque são especiais para eles. Na sala, estas mensagens são lidas, comentadas e expostas.

3ª aula
Música e letra (vídeo)

Gente tem sobrenome
Todas as coisas têm nome,
Casa, janela e jardim.
Coisas não têm sobrenome,
Mas a gente sim.
Todas as flores têm nome:
Rosa, camélia e jasmim.
Flores não têm sobrenome,
Mas a gente sim.

O Jô é Soares, Caetano é Veloso,
O Ary foi Barroso também.
Entre os que são Jorge
Tem um Jorge Amado
E um outro que é o Jorge Ben.

Quem tem apelido,
Dedé, Zacharias, Mussum e a Fafá de Belém.
Tem sempre um nome e depois do nome
Tem sobrenome também.

Todo brinquedo tem nome:
Bola, boneca e patins.
Brinquedos não têm sobrenome,
Mas a gente sim.

Coisas gostosas têm nome:
Bolo, mingau e pudim.
Doces não têm sobrenome,
Mas a gente sim.

Renato é Aragão, o que faz confusão,
Carlitos é o Charles Chaplin.
E tem o Vinícius, que era de Moraes,
E o Tom Brasileiro é Jobim.
Quem tem apelido, Zico, Maguila, Xuxa,
Pelé e He-man.
Tem sempre um nome e depois do nome
Tem sobrenome também.

Compreensão e interpretação da música:
1. Qual é o título da música?
2. Qual é o assunto da música?
3. Circule as estrofes da música:
4. Pinte as palavras que você sabe ler:
5. Faça um desenho para ilustrar o texto:
6. Qual é a diferença entre os nomes Jorge Amado e Jorge Ben?
7. Sobrenome é importante? Por quê?
8. Escreva o seu nome:
9. Circule o seu sobrenome:
10. Se tiver apelido escreva-o:

4ª aula
Confecção do livro do nome

5ª aula
Leitura e interpretação de poesia
Eu não gosto do meu nome
Pedro Bandeira

Eu não gosto do meu nome
Pedro Bandeira
Eu não gosto
do meu nome,
não fui eu
quem escolheu.
Eu não sei porque se tem
com um nome que é só meu!

O NENÊ
que vai nascer
vai chamar
como o padrinho,
vai chamar
como o vovô.
mas ninguém vai perguntar
o que pensa
o coitadinho.

Foi meu pai quem decidiu
que o meu nome fosse aquele.
Isso só seria justo
se eu escolhesse
o nome dele.

Quando eu tiver um filho,
Não vou pôr nome nenhum.
Quando ele for bem grande,
ele que escolha um !

Para reflexão:
1 – Qual é o seu nome?
2- Você gosta de seu nome?
3 – Quem escolheu o seu nome?
4 – Como escolheram o seu nome?
5 – Pesquise o significado do seu nome:

6ª aula
Atividades com a certidão de nascimento:
1 – Observar e analisar a certidão de nascimento;
2- Pintar com a sua cor preferida o seu nome na certidão;
3 – Pintar os nomes dos pais;
4 – Pintar os nomes dos avôs paternos e maternos (observar os sobrenomes);
5 – Pintar o local de nascimento, data e hora; (localizar no mapa o local onde nasceu se for fora da cidade).

7ª aula
Árvore genealógica da família:
Árvore genealógica da família, que será completada em casa com auxilio da família do aluno.

8ª aula
Aula do barbante:
Trazer de casa um barbante do tamanho que a criança era quando nasceu (pedir auxílio dos pais);
Na escola com auxilio da professora, cortar um barbante que seja do tamanho da criança hoje;
Fazer as comparações de quanto cresceu;
Em uma folha de desenho, colar o primeiro barbante (tamanho de bebê) no formato que desejar (flor, casa, círculos, etc.);
Em outra folha fazer a mesma atividade com o barbante que representa o tamanho atual;
Expor os trabalhos em sala de aula.

9ª aula
Vídeo sobre o desenvolvimento do neném:
Assistir vídeos sobre o desenvolvimento do bebe no útero materno ate o nascimento:

Comentar sobre o vídeo;
Fazer uma ilustração sobre o vídeo;
Textos para a leitura, comparação e compreensão sobre o tema:

Texto 1: DE ONDE EU VIM
Quando eu vivi dentro da barriga de minha mãe, estava mergulhado na água de uma bolsa muito especial…a água era morninha…
Minha mãe inspirava e expirava por mim…
Imaginem que o ar e os alimentos eram trazidos para mim pelo cordão umbilical!
Eu crescia… crescia…depois nasci e comecei a respirar por mim mesmo…

Textos 2: EU NASCI
Numa manhã, cedo, minha mãe sentiu uma contração dentro dela. A contração parou e começou novamente. Parou e começou de novo, parou e voltou. Cada vez a contração era mais forte.
Mamãe sabia o que a contração significava. Era o sinal de que eu estava para nascer. Os músculos de seu útero começaram a me empurrar para o mundo. Meu pai levou minha mãe ao hospital. Ela não estava doente, porém ela e eu precisávamos de ajuda. Os médicos e as enfermeiras podiam ajudar-nos.
No hospital, uma enfermeira levou minha mãe para uma sala especial onde nascem os bebes. Os músculos do seu útero me empurravam cada vez mais forte. Minha mãe esperou. Finalmente, minha cabeça saiu para fora de seu corpo, através da vagina. Devagarinho o resto de meu corpo também foi saindo.
Mas eu ainda não estava preparado para viver fora do corpo da minha mãe. Eu não respirava. Então o medico me ajudou. Deu uma palmadinha na sola dos meus pés. Eu chorei e meus pulmões se encheram de ar. Eu estava respirando. Já podia viver por mim mesmo.
Minha mãe ouviu meu choro. Sorriu. Então o médico cortou o meu cordão que me unia a ela. Eu já não precisava mais dele.

Para casa:
Junto com a família, e a mãe, os alunos irão conversar e elaborar um livro sobre a gestação da mãe e o nascimento do filho (aluno/sujeito da história). O livro deve seguir a ordem dos fatos e ser ilustrado com fotos do período gestacional e do nascimento.
Observar:
1 – Como o neném foi planejado, se houve planejamento;
1 – Como foi a gestação (como era o bebê na barriga da mãe, se houve algum problema durante a gravidez);
2 – Como foram os preparativos para a chegada do bebe na família;
3 – Como foi o dia do nascimento;
4 – Quem estava presente no dia do nascimento;
5 – Como os familiares se sentiram diante do nascimento da criança;
As crianças terão uma semana para confeccionar o livro. Os pais deverão ser orientados para que a atividade tenha significado e valor no processo de aprendizagem.

10ª aula
Apresentação dos livros de neném:
Nesta aula será feita a apresentação do livro às demais crianças. Os familiares que participaram no auxiliam da confecção do livro, serão convidados para auxiliar os alunos na apresentação dos livros. Aproveita-se a oportunidade para que os familiares possam esclarecer duvidas dos alunos e concretizar diálogos que estimulam o desenvolvimento cognitivo.


11ª aula
Linha do tempo:
Os alunos farão a linha do tempo, colocando em cada ano um fato marcante.
A linha será feita em casa com o auxilio da família, os alunos usarão imagens, fotos e desenhos para representar os fatos marcantes de cada ano até a atualidade.
Após, a mesma será exposta na sala de aula.

12ª aula
Linha do tempo do mundo:
Junto à linha do tempo também será feito um painel com fatos marcantes que aconteceram desde o nascimento da criança até os dias atuais. Os mesmos serão trazidos pelos alunos com auxilio da família e comentados na escola com coordenação da professora.

13ª aula
Vídeos dos alunos em homenagem às famílias: será elaborado um vídeo dos alunos sobre a importância da família. Os alunos farão depoimentos sobre o que significa a família e qual a sua importância. O vídeo será editado no movie maker e apresentando aos familiares na festa da família.


AVALIAÇÃO:

A avaliação será feita ao final de cada aula, onde os alunos farão relatos do que aprenderam e o que mais significou nesta etapa do trabalho, fazendo relações com o que seus aprendizados anteriores e com sua vida.

BIBLIOGRAFIA:

Parâmetros Curriculares Nacionais – Volume 5- História e Geografia
Pinela, Thatiane, Giaretta, Liz Andréia. De olho no futuro, 2ª ano. FNDE, Ministério da Educação.

PROJETO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL (JARDIM E MATERNAL)

LITERATURA INFANTIL – CONTOS DE FADAS

OBJETIVOS:

- oportunizar a vivência das variadas expressões artísticas e corporais a partir de atividades lúdicas;

- proporcionar situações que possibilitem o auto conhecimento e o reconhecimento do espaço que o educando se encontra;

- estimular o gosto pela literatura através das histórias infantis;

- ampliar a autoconfiança e auto-estima, através da identificação pessoal com personagens literários;

- oportunizar o desenvolvimento psicomotor, cognitivo e afetivo social, através da exploração integral dos contos de fadas.


TEMA: LITERATURA INFANTIL – CONTO DE FADAS

JUSTIFICATIVA:

“ Era uma vez…” tem sido a senha para se entrar no maravilhoso mundo dos contos, mitos, lendas e fábulas. Basta que alguém diga três palavrinhas mágicas que o encanto acontece, e, nós, adultos e crianças, como que hipnotizados, esperamos que o contador prossiga com sua narrativa.
Muitos de nós guardamos boas lembranças de momentos em que fomos embalados por histórias infantis e cantigas. No entanto, percebemos que hoje as famílias estão cada vez mais ausentes, seja pela necessidade financeira que os obriga a trabalhar fora, ou pelo novo modelo que se institui, onde muitas vezes há ausência de um ou mais dos seus membros.
Percebe-se assim, cada vez mais a carência das crianças e a necessidade da Escola em oportunizar o contato com a Literatura Infantil, já que sabemos que através desta é possível cativa a criança e ajudar a suprir as suas carências, pois de uma forma indireta, as historias ensinam a enfrentar o medo, a perda, a conhecer o amor, o valor da amizade e buscar soluções para seus conflitos pessoais.
A Literatura infantil, de acordo com Bettelheim, enriquece a vida das crianças, estimula a imaginação, desenvolve o seu intelecto e torna claras as suas emoções. Além de harmonizar suas ansiedades e aspirações, faz reconhecer plenamente suas dificuldades, ao mesmo tempo, sugere soluções para os problemas que a perturbam, promove a confiança nela mesma e no seu futuro.
O livro infantil tem como primeira função educar para a sensibilidade, pois resume a beleza da palavra e a beleza das imagens. O essencial é a qualidade das emoções e sua ligação verdadeira com a criança. O ideal da literatura é deleitar, entreter, instruir, educar e distrair.
Não há como negar as funções que a Literatura pode exercer nas diferentes áreas do desenvolvimento e aprendizagem da criança,nas suas diferentes fases da vida. A importância dos Contos de Fadas cultivados na infância é primordial na vida adulta: as crianças elaboram seus conceitos e resolvem seus conflitos mais intrínsecos. A fantasia dos contos dá asas à imaginação e proporciona a descoberta dos meios para se defender da vida real, pois ouvir histórias é sentir emoções valiosas, é descobrir-se, identificar-se, é reconhecer lugares, tempos e pessoas, é revelar os fatos vivenciados no dia-a-dia e descobrir novos mundos, é enxergar através da imaginação, é sobretudos, entrar em um mundo encantador, curioso, cheio de mistérios e surpresas que fascina, diverte e ensina.
Acreditando que resgatando o lúdico , o imaginário e as emoções positivas dos educandos, teremos condições de contribuir para uma sociedade mais humanizada, porque no ato de contar historias é dada a criança a oportunidade de compartilhar emoções, de escutar o outro e de conviver prazerosamente com o grupo. Enfim, será uma valiosa contribuição par o desenvolvimento infantil nos aspectos sócio-afetivo, psicomotor e cognitivo.
A Literatura é bastante ampla e abrangente. Através dela é possível abordar vários temas indispensáveis, que merecem destaques nas nossas reflexões junto com a criança. Ao ouvirmos uma historia infantil temos a possibilidade de refletir sobre a vida, sobre a morte, sobre nossas atitudes e escolhas, pois elas falam da dor, luta, compreensão, compaixão, solidariedade, esperança e vitória! Elas proporcionam em grande prazer e são uma necessidade do se humano, seja ele adulto ou criança.
É partindo destas possibilidades que a Literatura, mais propriamente dita os Contos de Fadas, servirão como eixo temático deste projeto.

ABRANGÊNCIA DO TEMA:

- contação de histórias;
– reconhecimento de letras e palavras;
– teatro e dramatização;
– imitação;
– painéis e cenários;
– personagens;
– jogos;
– expressões faciais e corporais;
– atitudes e valores;
– raciocínio e lógica;
– brincadeiras;
– imaginação e fantasia;
– tempo e espaço;
– rimas;
– ordenação de histórias;
– relatos de experiências;
– compreensão e interpretação de historias;
– atributos (tamanho e espessura);
– linhas (retas, quebradas, onduladas, curvas);
– figuras geométricas;
– quantidade (muito, pouco, nenhum, metade, todo);
– separação e agrupamentos;
– reconhecimento do seu corpo;
– noções temporais (ontem, hoje, amanhã, agora, antes, depois, ultimo, primeiro, dias da semana, meses do ano, estações);
– memorização (musicas);
– exploração das palavras (sinônimos para aumentar o vocabulário);
– completar seqüência das frases;
– vestir-se e despir-se a si e ao outro;
– discriminação de sons;
– modelagens;
– amarrado;
– cores.

LIVROS PRÉ-SELECIONADOS:

MATERNAL:

1ª semana: O Patinho Feio
2ª semana: Branca de Neve
3ª semana: Os Três Porquinhos
4ª semana: Chapeuzinho Vermelho

JARDIM:

1ª semana: Rapunzel
2ª semana: Bela Adormecida
3ª semana: Cinderela
4ª semana: O pequeno Polegar

  • PROJETO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL (MATERNAL E JARDIM)A IMPORTANCIA DA MUSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇAJUSTIFICATIVA: o ser humano, em sua evolução encontrou muitas formas de expressar e comunicar ao outro suas emoções, seu pensar e seu sentir, usando diferentes linguagens. Uma dessas linguagens é a música.
    A música faz parte de nos, da nossa vida das nossas culturas.
    Na Educação Infantil, a música tem atendido a inúmeros objetivos e vários propósitos, nem sempre os mais adequados.
    Para motivar o interesse das crianças nessa faixa etária, é necessário trabalhar com as crianças musicas de curta duração com letras engraçadas, que estimulam a sua fantasia e seu imaginário.
    A música aumenta a sensibilidade das crianças, a capacidade de concentração, desenvolve o raciocínio lógico-matemático e a memória, além de ser um forte desencadeador de emoções.
    O ensino da música se estenderá para todas as áreas da aprendizagem. Quando a criança esta cantando, tocando ou ouvindo uma música, está aprendendo muitas coisas como: Folclore, Ciências, Esquema Corporal, Alfabeto, Matemática.
    O professor também deve conversar com as crianças sobre o conteúdo da música. Pedir para desenhar sobre a música, dramatizá-la, reproduzi-la através de mímicas, fazer paródias das músicas conhecidas, tocá-las na bandinha, fazer um Karaoquê, um programa de calouros, etc.OBJETIVOS:
    – ouvir, perceber e discriminar sons, fontes sonoras e produções musicais;
    – brincar com música, imitar, inventar e reproduzir criações musicais;
    – explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento do mundo;
    perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos, improvisando, compondo e interpretando músicas.
    – participar de jogos e brincadeiras com dança e improvisações musicais;
    – elaborar um repertório de cantos/ cantigas com vista ao desenvolvimento da memória;
    – escutar diferentes obras de diferentes autores, gêneros, épocas, culturas;
    – reconhecer elementos musicais básicos (frases, partes que repetem, etc.)
    – informar-se sobre diferentes obras;
    – identificar ritmos da natureza, no meio ambiente e do próprio corpo;
    – comparar ritmos;
    – acompanhar canções utilizando instrumentação corporal par identificar o ritmo;SUGESTÕES DE ATIVIDADES:- ouvir atentamente uma história, contada pelo professor, na qual os personagens tenham vozes graves e agudas, identificando a altura dos sons.
    – ouvir sons de diferentes objetos, com os olhos fechados, identificando a duração dos mesmos.
    – responder à chamada, dizendo a palavras presente com a mesma intensidade com a qual o professor pronunciou o nome do aluno.
    – produzir sons e ritmos com o auxílio dos instrumentos da bandinha, reconhecendo diferenças e semelhanças.
    – repetir seqüências de 1, 2, 3 até cinco sons diferentes.
    – nomear os sons da rua.
    – ouvir diversos sons e nomeá-los e identificá-los.
    – ouvir ruídos e ritmos da natureza de olhos fechados e mencioná-los.
    – confeccionar os instrumentos da bandinha.BANDINHA FEITA COM SUCATAS:- Pauzinhos ou Bastões: cabos de vassoura de 15 cm, pintados aos pares.
    – Coquinhos: cascas de coco partidas ao meio, lixadas e limpas, pintadas aos pares.Pandeiro: latas de goiabada ou similar, redondas. Fazer orifícios em forma retangular. Nesses orifícios, fixar internamente um prego ou palito com duas tampinhas de garrafa amassadas.Baquetas: parte transparente das canetas ou galhos de arvores, colocar um chumaço de algodão nas extremidades e cobrir com fita crepe.Copinhos: dois copos plásticos podem ser tocados, batendo fundo com fundo ou boca com boca.Tambor: latas grandes. Retirar a tampa do fundo, fechar essa parte com tirar sobrepostas de fita crepe, até formar uma película resistente a batida.

    Xique – xique: colocar dentro de latas de refrigerante ou embalagens plásticas, pedras, tampinhas, fechar com durex.

    Toquinhos de lixa: pedaços de madeira em formato retangular, com lixa grossa em uma das superfícies. Friccionando uma parte na outra.

    Guizos: tampinhas de garrafas, achatadas com martelo e furadas ao meio com pregos grandes. Enfiar um arame e amarrar nas extremidades .

    Pratos: tampas redondas de galão de tinta ou tampas velhas grandes do mesmo tamanho, bater uma na outra.

    Reco – reco: fazer sulcos regulares de distancia em um pedaço de bambu. Esfregar uma caneta, lápis ou vareta.

    Pode-se introduzir na bandinha apito ou outros instrumentos.

    PROJETO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL (JARDIM)

    O BRINQUEDO

    OBJETIVOS:

    - reconhecer e ler o seu nome e o nome de alguns brinquedos, bem como, outras palavras que serão trabalhadas neste projeto, relacionando-as ao seu meio social e cultural;
    – comparar as brincadeiras e brinquedos dos antepassados (pais e avós) com os atuais, resgatando a cultura de outros tempos;
    – ampliar o conhecimento com relação aos brinquedos e brincadeiras, a fim de criar mais oportunidades para o ato de brincar;
    – reconhecer alguns números e a noção de quantidade.

    TEMA: O BRINQUEDO

    JUSTIFICATIVA:
    O brinquedo é importante para a criança, quanto o trabalho para o adulto. Brincar além de prazeroso é fundamental para o desenvolvimento holístico. Vários fatores contribuem para o distanciamento da criança e do brincar. A escola é o lugar ideal para resgatar essas práticas negligenciadas pelo mundo contemporâneo.
    Através da brincadeira, a aprendizagem acontece de maneira espontânea e mais eficaz, dentro deste tema, pretendemos criar um elo entre o aprender, o brincar e o brinquedo.

    ABRANGÊNCIA DO TEMA:
    – brinquedos e brincadeiras dos antepassados;
    – rodas cantadas;
    – jogos tradicionais;
    – história da vida da criança;
    – comparação, seriação e classificação;
    – gráficos;
    – tempo e espaço.

    PLANEJAMENTO: RESGATE DAS BRINCADEIRAS
    – convidar os pais e avós, ou outros adultos, para visitarem a escola e falarem sobre os brinquedos que utilizavam na infância (os convidados irão até a escola previamente informados sobre o assunto e se possível trazendo brinquedos da sua infância). Pede-se para que cada convidado fale de sua infância, no que se refere ao brincar e ao brinquedo. Todos os alunos poderão perguntar e brincar com os adultos, se houverem brincadeiras demonstrativas;
    – tempo para brincarem com as brincadeiras trazidas pelos convidados;
    – listar os nomes das brincadeiras trazidas pelos convidados (o professor pode escrevê-las num cartaz).
    – contar o número de letras de cada palavra escrita no cartaz e registrá-las ;
    – encontrar nas palavras do cartaz as letras que compõem o seu nome e assim, ir escrevendo o mesmo no caderno (se faltarem letras identificá-las, com ajuda do professor);
    – fazer fichas com as palavras do cartaz e separá-las conforme a letra inicial (observando o som, a ordem alfabética e o formato da letra);
    – comparar a letra inicial do nome de cada um, com as letras iniciais das brincadeira escritas nas fichas;
    – copiar no caderno as palavras do cartaz que iniciam com a letra do seu nome;
    – construir um cartaz em conjunto com as brincadeiras por eles conhecidas, ou seja, as atuais, utilizando diversos recursos (rótulos, jornais, desenhos, sucatas, caixas);
    – Fazer uma comparação entre os brinquedos ou as brincadeiras antigas – trazidas pelos convidados – e as atuais – as que eles brincam -. Primeiro no quadro, depois no caderno;
    – fazer um dominó com desenhos relacionadas com o tema (confeccionar com os alunos);

    RODAS CANTADAS:
    – brincar com as rodas cantadas que eles conhecem;
    – registrar através de desenhos individuais a sua roda cantada preferida;
    – fazer a escolha democrática de uma canção (roda contada);
    – cantar e dançar a roda cantada escolhida;
    – mudar a coreografia (como podemos fazer diferente ?);
    – criar juntos uma canção e fazer uma coreografia para a mesma;
    – fixar a música por eles criada na sala de aula.

    JOGOS TRADICIONAIS:
    – a professora faz uma pesquisa para saber qual é a brincadeira que os alunos mais gostam (a professora registra os dados);
    – após o resultado faz-se um gráfico com estas brincadeiras que foram citadas. O gráfico segue a ordem crescente (das menos citadas até as mais citadas e as que mais brincam);
    – fazer um painel com o mesmo e fixar na sala;
    – fazer uma reflexão sobre a pesquisa (várias interrogações: quem brinca? Quando? Onde? Turno? Quantos participantes? Porquê?)
    – questionar quais os materiais utilizados nas brincadeiras ( bola, pedra, pneus, corda etc.);
    – providenciar esses materiais, onde os alunos farão uma análise: do que é feito, é industrializado ou feito artesanalmente, forma geométrica, além de brincadeiras é utilizada para outros fins;
    – compará-los, classificá-los – diversos critérios: tamanho, cor, peso, etc. -,e separá-los;
    – cada aluno desenha os materiais utilizados para as brincadeiras ou jogos;
    – fazer uma lista destes objetos no quadro;
    – fazer o jogo da memória com estas palavras, ilustrando as fichas com figuras;
    – verificar todos os brinquedos que existem na sala de aula;
    – fazer com os alunos pequenas fichas com esses nomes e colar em cada brinquedo respectivamente;

    BRINQUEDO PREFERIDO:
    – fazer um diálogo com os alunos para que se posicionem com relação aos brinquedos que já conheciam, aos que conheceram, e de todos, qual ou quais gostaram mais;
    – iniciar um livrinho – Brinquedo Preferido:
    • desenho e escrita do nome do brinquedo preferido de cada um (capa);
    • recortar e colar palavras com a letra inicial do brinquedo escolhido;
    • contar o número de letras de cada palavra, colar bolinhas de papel correspondentes, desenhar este número;
    • desenhar outros objetos parecidos com o brinquedo; (escrever o nome, com auxilio da professora);
    • desenhar objetos diferentes (cores, formas, etc.) mas que possuem a mesma função do brinquedo escolhido.
    – Confeccionar, com sucatas, o brinquedo preferido;
    – Organizar uma exposição com o material construído pelas crianças durante o projeto, convidando os pais e outros alunos.

    PLANO DE ESTUDO E CONTEÚDOS ESSENCIAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

    O trabalho realizado na Educação Infantil deve ser fundado em grandes objetivos a fim de desenvolver as seguintes capacidades:
    – desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepções de suas limitações.
    – Descobrir e conhecer progressivamente o próprio corpo, suas potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando hábitos de cuidado com a própria saúde e bem estar.
    – Estabelecer vínculos afetivos de troca com adultos e crianças, fortalecendo sua auto-estima e ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social.
    – Estabelecer e ampliar cada vez mais relações sociais, aprendendo aos poucos a articular seus interesses e pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração.
    – Observar e explorar o ambiente com atitudes de curiosidade, percebendo-se cada vez mais com integrante, dependente e agente transformador do meio ambiente e valorizando atitudes que contribuam para sua conservação.
    – Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades, respeitando a individualidade.
    – Usar as diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral e escrita), ajustadas às diferentes intenções e situações de comunicação, de forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias, sentimentos, necessidades e desejos e avançar no seu processo de construção de significados, enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressiva.
    – Conhecer algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes de interesse, respeito e participação frente a elas e valorizando a diversidade.

    OBJETIVOS:

    - Ter uma imagem positiva de si, ampliando sua autoconfiança, identificando cada vez mais suas limitações e possibilidades, agindo de acordo com elas.
    – Identificar e enfrentar situações de conflitos, utilizando seus recursos pessoais, respeitando as outras crianças e adultos e exigindo reciprocidade.
    – Valorizar suas ações de cooperação e solidariedade, desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração e compartilhando suas vivências.
    – Brincar.
    -Adotar hábitos de auto-cuidado, valorizando as atitudes relacionadas com higiene, alimentação, conforto, segurança, proteção do corpo e cuidados com a aparência.
    – Identificar e compreender a sua pertinência aos diversos grupos dos quais participa, respeitando suas regras básicas de convívio social e a diversidade que os compõe.
    – Ampliar as possibilidades expressivas do próprio movimento, utilizando gestos diversos e o ritmo corporal nas suas brincadeiras, danças, jogos e demais situações de interação.
    – Explorar diferentes qualidades e dinâmicas do movimento, como força, velocidade, resistência e flexibilidade, conhecendo gradativamente os limites e as potencialidades de seu corpo, através de jogos, brincadeiras, danças, etc.
    – Utilizar os movimentos de preensão, encaixe, lançamento, etc., para ampliar suas possibilidades de manuseio dos diferentes materiais e objetos.
    – Apropriar-se progressivamente da imagem global de seu corpo, conhecendo e identificando seus segmentos e elementos, desenvolvendo cada vez mais uma atitude de interesse e cuidado com o próprio corpo.
    – Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento do mundo.
    – Perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio de improvisações, composições e interpretações musicais.
    – Produzir trabalhos de arte, utilizando a linguagem do desenho, da pintura, da modelagem, da colagem, da construção, desenvolvendo o gosto, o cuidado e o respeito pelo processo de produção e criação, tanto pessoal como do grupo.
    – Familiarizar-se com a escrita por meio de manuseio de livros, revistas e outros portadores de textos e da vivencia de diversas situações nas quais seu uso se faça necessário, ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão.
    -Comunicar idéias matemáticas, hipóteses, processos utilizados e resultados encontrados, situações-problema relativas a quantidades, espaço físico e medida, utilizando a linguagem oral e a linguagem matemática.
    – Ter confiança em suas próprias estratégias e na sua capacidade para lidar com situações matemáticas novas, utilizando seus conhecimentos prévios.
    – Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e natural, formulando perguntas, imaginando soluções para compreendê-lo, manifestando opiniões próprias sobre os acontecimentos, buscando informações e confrontando idéias.
    – Estabelecer algumas relações entre o meio ambiente e as formas de vida que ali se estabelecem.

    CONTEÚDOS

    1 – ÁREA PSICOMOTORA

    1.1- ESQUEMA CORPORAL:

    • Reconhecimento do seu corpo:
    – no todo (conscientização de mesmo);
    – das partes (localização e função);
    – na cabeça (boca, nariz, olhos, orelhas, cílios, cabelos, sobrancelhas, bochechas);
    – no tronco (ombro, barriga, costas, peito, pescoço);
    – nos membros superiores (braços, cotovelo, pulso, mão, dedos);
    – nos membros inferiores (pernas, joelho, tornozelos, pés, calcanhar, dedos, unhas);
    – nas posições (em pé, deitado, sentado, de frente, de lado, de costas, agachado, ajoelhado);
    – nas posições (estáticas e dinâmicas);
    – expressões (corporal e facial);
    – ritmo (rápido, lento e moderado);

    A) MOTRICIDADE AMPLA:
    – coordenação de movimentos amplos que envolvam o corpo (altura, distância, direção, movimentos alternados, direita, esquerda).
    – Movimentos: – naturais (ritmo próprio), – criativos (criação de movimentos livres), – rítmicos (reprodução de sons através de movimentos), – imitativos (imitação de movimentos padronizados), – postura (orientações dos movimentos corretos), – expressivos (expressar-se através de movimentos corporais e faciais).
    – Recreação: músicas, rodas cantadas, danças, etc…
    – Freio inibitório: capacidade de deter o movimento no tempo preciso.
    – Relaxamento e volta a calma.

    B) MOTRICIDADE FINA:
    – Coordenação de movimentos finos:
    – amassado;
    – modelagem;
    – amarrado;
    – exercício de sucção, assobios, sopro, esvaziamento de bochechas, língua, lábios;
    – rasgado;
    – discriminação de sons; pronúncia de palavras, ruídos, batida;
    – vestir-se e despir-se a sim e ao outro;
    – colagem;
    – manipulação da tesoura;
    – recorte;
    – exploração dos dígitos;
    – pintura livre;
    – traçado de linhas – exercícios grafomotores;
    – maneira de manusear o lápis, pincel e tesoura (preensão);
    – enfiado e alinhavo;
    – punção;
    – desenhos;
    – picado;
    – dobradura;
    – empilhado;
    – enfileirado;
    – movimentos oculares.

    C) NOÇÕES TOPOLÓGICAS:
    Noção de:
    – em cima, embaixo;
    – dentro, fora, distante, próximo;
    – perto, longe;
    – frente, atrás, lado;
    – lateralidade (dinâmica do corpo);
    – direita, esquerda (conhecimento);

    D) PERCEPÇÕES:
    – Exercícios de observação, comparação, relação, classificação.
    – Cores primárias e secundárias.
    – Formas em geral (atributos): tamanho (maior, menor, grande e pequeno), espessura (grosso, fino)…
    – Linhas retas, quebradas, onduladas, curvas, mistas.
    – Figuras geométricas (quadrado, círculo, triângulo, retângulo).
    – Aquisição de noções de espaço e tempo.
    – Seqüência lógica.
    – Quantidade (muito, pouco, alguns, nenhum, metade, todo).
    – Operações: (noções de conjunto contendo adição e subtração (a nível de jogos concretos).
    – Exercícios de reprodução a nível gráfico.
    – Quebra-cabeças.
    – Separação e agrupamento.
    – Sensações auditivas: forte, fraco, agudo e grave.
    – Sensações gustativas: doce, amargo, salgado, azedo.
    – Sensações olfativas: cheiro agradável e desagradável, odores diferentes.
    – Sensações táteis ou térmicas: quente, frio, moderado.
    – Sensações de peso: pesado, leve, duro, mole, áspero, rugoso, liso.
    – Noções de tempo: ontem, hoje, amanhã, agora, antes, depois, último, primeiro, dias da semana, meses do ano e suas estações.
    – Discriminação e identificação: de palavras, letras, sons, sílabas.
    – Noções de espaço.

    2 – ÁREA COGNITIVA

    2.1 – LINGUAGEM ORAL E ESCRITA:

    - Formas de comunicação: falada, por desenhos, gestos.
    – Transmissão e recebimento de recados.
    – Relato de experiências.
    – Ordenação de histórias e fatos em seqüência (seqüência lógica).
    – Expressar-se com clareza (contos, fatos, histórias).
    – Identificação, descrição, compreensão e interpretação de fatos, histórias, gravuras, músicas, cantos com auxílio de perguntas – partindo do mais simples para o complexo, enumerando elementos e ações.
    – Dramatização (expressões gestuais).
    – Combinações de palavras que rimem.
    – Representações de idéias trabalhadas através de expressões orais, corporais, gestuais, plásticas, gráficas.
    – Construindo através da imaginação.
    – Memorização: músicas, quadrinhas, rodas cantadas.
    – Exploração das palavras (significado para aumentar o vocabulário).
    – Análise e comparação de sons (inicial, final das palavras e frases).
    – Completar sentenças,frases: João e Paulo pularam corda e…(jogo – cada vez acrescentar mais palavras).
    – Fixação de letras aprendidas (por jogos, materiais concretos).
    – Identificação e reconhecimento das vogais e consoantes (maiúsculas e minúsculas em palavras, murais, revistas, materiais concretos, painéis…)
    – Representação gráfica das vogais e consoantes (ar, quadro, papel – com ou sem linhas).

    2.2 – CIÊNCIAS E MATEMÁTICA:

    - Relato de experiências.
    – Identificação e relação de fatos (com causa e efeito).
    – Observação, descrição, comparações de objetos, materiais, estabelecendo semelhanças e diferenças em relação e categoria a que pertence.
    – Manipulação de elementos, objetos.
    – Apresentação de situações problema e possíveis alternativas.
    – Atributos por agrupamentos e separação: forma (semelhança, peso, medida), tamanho (maior e menor), espessura (grossa, fina), cores…
    – Verbalização e reconhecimento de elementos que pertence ou não aos conjuntos.
    – Identificação e reconhecimento de conjuntos e de seus elementos (por agrupamento, separação).
    – Conjuntos: unitário, com muitos e vários elementos.
    – Noção de zero: quantidades e representações.
    – Reconhecimento da família dos numerais.
    – Construção do conceito de quantidade.
    – Leitura dos numerais, objetos por ordem crescente e decrescente.
    – Leitura e escrita dos numerais.
    – Relação do número e quantidade.
    – Aquisição de conservação de quantidade.
    – Noção de par e ímpar (concretamente).
    – Resolução de problemas simples através de experiências concretas (o que falta, o que sobra).
    – Medidas de comprimento, capacidade.

    3 – ÁREA AFETIVA E SOCIAL

    - Identificação do seu próprio nome, nome do colega, pai, irmãos, professora, data de aniversário.
    – Respeito às regras de jogos estabelecidas pelo professor e alunos.
    – Bom relacionamento com os colegas, professor e comunidade escolar.
    – Participação em brincadeiras e jogos.
    – Atendimento as ordens dadas.
    – Divisão de brinquedos e atenção aos colegas.
    – Participação em atividades propostas.
    – Independência no agir.
    – Desenvolvimento de hábitos de higiene.
    – Zelo pelo material individual e coletivo da escola.
    – Valorização: clima de respeito, amabilidade e alegria na convivência do dia-a-dia.
    – Orações espontâneas reconhecendo a presença de Deus e agradecendo as coisas que temos.
    – Reconhecimento de datas comemorativas.

    TEMA: QUEM SOU EU?

    JUSTIFICATIVA:
    As atividades sugeridas levarão os alunos a conhecerem-se e, consequentemente a compreender que tem uma identidade e que fazem parte de um conjunto de pessoas, em casa, na escola, e na comunidade.

    OBJETIVOS GERAIS:
    – revelar de diversas maneiras o seu modo de ser;
    – entender que a vida é um processo de continuidade do passado e do presente;
    – reconhecer-se como ser único na sociedade em que vive;
    – conhecer a sua história e a de seus colegas a partir de relatos dos mesmos.

    PROCEDIMENTOS:
    – montagem do mural do auto-retrato, com o nome de todos os alunos da sala de aula;
    – caça palavras com o tema família: nome dos membros de uma família;
    – preenchimento de fichas de pesquisa sobre o aluno e sua família;
    – explicação sobre a data de nascimento ( certidão de identidade);
    – a partir de dados pessoais observados na certidão, explicar como é formado o sobrenome;
    – verificar na sala de aula se existem alunos com o mesmo sobrenome, ou que nasceram no mesmo dia, no mesmo mês, no mesmo ano, na mesma maternidade;
    – consultara a certidão de nascimento para preenchimento da ficha.

    DISCUTIR COM O ALUNO:
    – por que não pode ser confundido com outra pessoa, mesmo tendo nome igual ao dela?
    – Compare você com o colega. Quais as semelhanças e diferenças entre vocês?
    – Se você tem o mesmo sobrenome do seu colega, quer dizer que são da mesma família? Por quê?
    – Quais os acontecimento considerados importantes na sua vida?
    – As pessoas estão sempre querendo mudar alguma coisa em si: o cabelo, os olhos, etc. por quê?

    CULMINÂNCIA:
    Montagem de textos coletivos ou individuais, álbuns e livros abordando a história do aluno, tanto na sociedade quanto na escola.

    AVALIAÇÃO:
    A avaliação deve ser constante, contínua através da observação, trabalhos realizados extra-classe, exposição de trabalhos, painéis, relatos, considerando os avanços dos alunos em forma geral.

    SUGESTÕES DE ATIVIDADES

    1- Pesquisar com os pais, em casa:
    – Quem escolheu o seu nome?
    – Por que este nome?
    – Nomes dos familiares:
    – Pai:
    – Mãe:
    – Irmãos:
    – Avó paterna:
    – Avô paterno:
    – Avó materna:
    – Avô materno:

    2- Com a certidão, preencha os dados de sua identidade: (ficha)

    3- Desenhar seu auto-retrato e montar um painel:

    4- Texto:

    NOME DE GENTE

    Por que é que eu me chamo isso
    E não me chamo aquilo?
    Por que é que o jacaré
    Não se chama crocodilo?

    Eu não gosto
    Do meu nome,
    Não fui eu quem escolheu.
    Eu não sei
    Por que se metem
    Com um nome que é só meu!

    O nenê
    Que vai nascer
    Vai chamar como o padrinho,
    Vai chamar
    Como o vovô,
    Mas ninguém
    Vai perguntar
    O que pensa
    O coitadinho.

    Foi meu pai quem decidiu
    Que meu nome fosse aquele.
    Isso só seria justo
    Se eu escolhesse
    O nome dele.

    Quando eu tiver um filho,
    Não vou por nome nenhum.
    Quando ele for bem grande,
    Ele que procure um!

    Pedro Bandeira.
    Cavalgando o arco-íris.

    Leitura: compreensão e interpretação do texto:

    5- Montagem do livrinho; História da Minha Vida

    6- Fazer uma entrevista: cada aluno entrevista um colega, perguntando coisas relacionadas com a vida do mesmo:
    -nome:
    -idade:
    -comida preferida:
    -música:
    -brincadeira:
    -livro:
    -passeio:
    -o que mais gosta de fazer?
    -o que menos gosta de fazer?
    -o que gostaria de ser no futuro?
    Etc.
    Após, monta-se um painel com as perguntas e respostas registradas, de todos os colegas, cada registro com a foto do entrevistado.

    7- Por que Sou Importante?
    As crianças recebem ou confeccionam, em folha de papel, rostinhos de meninos ou meninas. Elas devem escrever ou desenhar, ao lado dos rostinhos, porque são importantes. O monitor pode auxiliá-las sugerindo-lhes características positivas das crianças. Depois de prontos as mesmas devem colocar os seus rostinhos em um painel que ficará exposto em um local vísivel.

    PROJETO DE EXECUÇÃO

    OBJETIVOS:
    – Experimentar, num movimento dialético, o ensino como intervenção no processo de aprendizagem;
    – Analisar critica e criativamente, a experiência de ensino, como intervenção no processo de aprendizagem;
    – Perceber as relações produzidas na instituição escolar pelos seus participantes como contexto imediato e o contexto geral.

    1- PARTICIPAÇÃO EFETIVA NAS ATIVIDADES DA VIDA ESCOLAR
    Constitui-se no espaço onde o aluno-estagiário pode: perceber as relações que são produzidas na instituição escolar pelos participantes com o contexto imediato e o contexto geral. Diz respeito, mais especificamente, ao ensino e à aprendizagem e possibilita a visão de conjunto do trabalho escolar, a partir da experiência de docência nas Series Iniciais do Ensino Fundamental.
    Pode incluir:
    a) observação de situações pedagógicas em Instituições de Ensino de Educação Básica, abrangendo toda a vida da instituição.
    b) Participação em:
    – Planejamento pedagógico, administrativo, financeiro, reuniões pedagógicas, eventos com participação da comunidade escolar;
    – Projetos e atividades dos componentes curriculares do curso, propostos pela instituição alvo da prática;
    – Avaliação da aprendizagem dos alunos da instituição de ensino onde estagia;
    – Pesquisa de campo.

    2- ATIVIDADES DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
    Podem incluir:
    a) Problematização de situações de ensino que servirão de fonte para os projetos de pesquisa;
    b) Inferência das bases teórica que fundamentam as práticas observadas a partir dos pressupostos estudados;
    c) Ação interventiva nas atividades de preparação e avaliação do trabalho docente, do aluno estagiário.

    Realizar-se-á em três momentos integrados:
    O primeiro momento, com ênfase na interação, constitui-se num espaço para:
    – definir pontos de partida e de chegada, como norteadores daquilo que juntos, professor, supervisor e alunos irão processar;
    – posicionar-se conceitualmente em relação:
    – à aprendizagem.
    – ao ensino, numa ótica intervencionista.
    – levantar alternativas de ação possíveis.

    O segundo momento constitui-se num espaço para:
    – relatar, ao grande grupo, as atividades desenvolvidas;
    – no ensino, em uma das Séries Iniciais do Ensino Fundamental;
    – na comunidade escolar e familiar que evidencie a contextualização da situação de ensino;
    – voltar aos pressupostos teóricos, como elemento referencial da análise da pratica;
    – analisar e criticar a vivencia das experiências de Series Iniciais do Ensino Fundamental e na pesquisa.

    O terceiro momento constitui-se num espaço para, que haja, em pequenos grupos e ou individualmente ação interventiva, do professor. Nas atividades de preparação e avaliação do trabalho docente, do aluno estagiário.
    O foco principal dessas atividades será a reflexão critica e criativa sobre a ação docente do professor-aluno, bem como sobre as atividades próprias da vida da escola, com vistas, em especial, ao planejar. “Ensinar e avaliar”.
    As atividades de Orientação Didático-pedagógicas serão desenvolvidas concomitantemente às atividades de docência e de participação efetiva nas atividades próprias da vida escolar, em Instituições de Educação Básica.

    3- PREPARAÇÃO E AVALIAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE:
    Constituem-se no espaço onde o aluno planeja, avalia, seleciona e organiza atividades e materiais para o ensino, com crianças, de classes de Educação Básica: séries Iniciais de Ensino Fundamental.

    4- ATIVIDADES DE DOCENCIA
    As atividades de docência constituem-se no espaço experimental onde o aluno-estagiário vivencia, na sua área específica de atuação, metodologias explicitadoras do referencial teórico por ele construído, em parceria com a escola em que realiza a prática.
    Terá como foco principal o exercício da docência, elemento integrador da prática-pedagógica que possibilite:
    -vivenciar o trabalho de ensino, propriamente dito, em de classes de Educação Básica: Séries Iniciais do Ensino Fundamental.
    -identificar as concepções subjacentes a essas práticas.

    AVALIAÇÃO:
    1-Mecanismos:
    1.2-Humanos
    -Professor Supervisor da PEES;
    -Alunos estagiários.
    1.3-Técnicos (tais como):
    -Observação;
    -Entrevista;
    -Seminário;
    -Reuniões sistemáticas;
    -Análise de instrumentos;
    -Síntese avaliativa do desenvolvimento da disciplina.
    2-Instrumentos:
    -Relato de alunos;
    -Síntese avaliativa.
    3-Os alunos estagiários serão avaliados através:
    -Do desenvolvimento contínuo, efetivo, individual e grupal em todas as etapas e atividades pertinentes à PEES;
    -Da excelência do exercício de docência propriamente dita;
    -Da contribuição espontânea para o êxito dos trabalhos e respectivas implicações, tais como:
    – Aceitar reformulações imprevistas;
    – Partilhar responsabilidades;
    – Criticar objetiva e construtivamente o processo.

5 Respostas to "PROJETOS PEDAGÓGICOS"

adorei simplçismente !!!

estou tentando fazer o meu primeiro progeto não esta nada fasio

ADOREI…. é muito criativo e muitas idéias para projetos…
são ótimos temas que podem ajudar muito educador que precisa de idéias novas…
OBRIGADO………………………………………..

Gostei muito do projeto “VALORIZAÇÃO DA VIDA”, desenvolvido pela professora ADRIANE MASIERO com os alunos do 2* ano.
Trabalhar com projetos e planejá-los nem sempre é fácil, mas só quem tem a determinação e a coragem de pô-los em prática pode conhecer seus resultados e experimentar as prazerosas vivências que eles proporcionam.
Pode ter certeza de que as experiências vividas durante a realização do projeto marcarão para sempre a vida dos alunos que participaram dele, e os conhecimentos adquiridos serão base para inúmeros outros aprendizados significativos, aprendizados para a vida!
Parabéns pela iniciativa!

gostaria de ver uma atividade com uma certidão de nascimento para preencher.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Siga os artigos de Adriane Masiero também em:

artigos educacionais
outubro 2014
Q S S D S T Q
« ago    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

Blog Stats

  • 36,603 hits
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 267 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: